AL Energia Solar

Em 2020, a potência instalada em energia solar no País chegou a 7,5 GW, crescimento de 64% em comparação ao ano anterior

energia solar residencial casa
energia solar residencial

O gráfico abaixo já diz quase tudo: em 40 anos, o preço da célula fotovoltaica, que compõe as placas que convertem energia solar em energia elétrica, caiu de US$ 76 para US$ 0,30. Foi o fator que ajudou a reduzir os custos dos investimentos e despertou grande interesse dos consumidores pela utilização desse tipo de energia. 

Os investimentos privados seguem crescendo, com destaque para o segmento de geração distribuída, que é o daenergia elétrica gerada no local de consumo por meio de sistemas de captação de luz solar instalados em telhados e fachadas de casas, condomínios, barracões, fábricas e edifícios. 

Como apontam os dados da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), em 2020, o setor atraiu  R$ 13 bilhões em investimentos. Nada menos que 80% desses recursos se destinaram a pequenos sistemas de geração solar. Mesmo em meio à pandemia, o Brasil quase dobrou sua potência instalada em energia solar. Ao fim de 2019, contava com potencial de 4,6 gigawatts (GW). Um ano depois, já tinha 7,5 GW, crescimento de 64%. 

Somente na geração distribuída, o crescimento na capacidade instalada em 2020 foi de 2,2 GW. Hoje, o Brasil possui mais de 350 mil instalações de energia solar fotovoltaica conectadas à rede. Para 2021, a expectativa da Absolar é de que a potência instalada no País chegue a 12,6 GW. 

“Como os preços da energia elétrica de fonte convencional estão cada vez mais altos, o consumidor vem encontrando na energia solar uma dupla solução: redução dos custos e respostas socioambientais mais adequadas”, resume Rodrigo Sauaia, CEO da Absolar

Ele acrescenta mais dois fatores que vêm puxando pelos investimentos: o retorno cada vez mais rápido do capital e os subsídios em créditos e desonerações, destinados a estimular o uso dessa energia.

Esse mercado despontou comercialmente apenas em 2012. De lá para cá, o investimento se pagou cada vez mais cedo, de três a cinco anos, a depender da região. É o que relata Fernando Costa, proprietário da Alba Energia Solar e presidente do Grupo G5 Solar, entidade criada por players do setor para fomentar o mercado. Ele é mais específico: em Minas Gerais, Estado com maior concentração de potência instalada em geração distribuída, o tempo de retorno varia entre três e quatro anos nos sistemas residenciais. Já em cidades em que a verticalização dos edifícios pode dificultar o aproveitamento das instalações solares para geração distribuída, caso de São Paulo, o retorno calculado hoje é na faixa de quatro a cinco anos. 

Nem tudo é luz no sistema de energia de geração distribuída. Alguma sombra provém da pressão das distribuidoras para que o produtor dessa energia também pague a parte da conta cobrada do consumidor comum, que banca incentivos e políticas públicas no setor. Explicando melhor: quando a produção de energia é maior do que o consumo, o excedente é injetado na rede das distribuidoras. Esse fornecimento gera um crédito em energia que pode ser aproveitado à noite ou quando a insolação é menor, em consequência da chuva ou de nevoeiro. A ideia inicial da Aneel é de distribuir entre os produtores de energia fotovoltaica os custos pela utilização da rede. 

O tema é cercado de divergências. Para alguns, a taxação desestimularia a produção de energia de fonte limpa numa hora em que o mundo inteiro se esforça para mudar a composição da matriz energética. Sauaia, da Absolar, argumenta nessa direção. Para outros, não se pode sobrecarregar o consumidor comum com todos esses custos e criar privilégios para outro segmento de consumidores. É o que pensa, por exemplo, Marcos Madureira, presidente da Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (Abradee).

Essas indefinições criam incertezas num território sensível, e o marco legal deve dar piso firme ao setor. Para os novos dirigentes do Congresso, esse assunto deve ser objeto de votação definitiva nos próximos meses. A conferir. /COM PABLO SANTANA

*CELSO MING É COMENTARISTA DE ECONOMIA

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Artigos relacionados

energia solar residencial casa
Energia Alternativa

Energia Solar avança no Brasil

Em 2020, a potência instalada em energia solar no País chegou a 7,5 GW, crescimento de 64% em comparação ao ano anterior O gráfico abaixo

Telha solar fotovoltaica eternit
Energia Alternativa

“Telha solar” é aprovada no Brasil.

Telhas solares de concreto que produzem energia solar são aprovadas pelo Inmetro e já podem ser vendidas no Brasil. Logo a Eternit prevê que sua comercialização tenha

Abrir chat
1
Precisa de mais informações?
Olá! 😃
Precisa de mais informações sobre a geração de energia solar? 👷🌞
Powered by